Psicologia em Ribeirão Preto

2nd
nov

nns00Na natureza selvagem: o homem que caminha só em direção a si mesmo.

 A história verídica do norte-americano Christopher Johnson McCandless, encontrado morto aos 24 anos em um ônibus abandonado, próximo do Parque Nacional Denali depois de sobreviver com pouca comida e equipamento no Alasca selvagem, nos convida a reflexões importantes sobre o sentido último da vida humana.

Para os interessados em conhecê-la sugiro a leitura do livro “Na natureza selvagem”, publicado em 1992 pelo jornalista John Krakauer, bem como o filme escrito e dirigido por Sean Pean, de mesmo título, lançado em 2007.

Leia Mais

22nd
ago

images* Palestra proferida no dia 28 de março de 2016 no curso de Psicologia da UNAERP (Universidade de Ribeirão Preto), na disciplina Psicologia do Desenvolvimento Humano II, a convite da Profa. Me. Lilian de Almeida Guimarães.

Gostaria de começar minha fala de hoje com um trecho do romance “O homem sem qualidades” do escritor austríaco Robert Musil, escrito em 1931. Este livro foi considerado um dos maiores romances escritos no século XIX e penso que sua grandiosidade se deve ao fato de o autor ter conseguido captar a essência daquilo que viríamos chamar no século XX de “A era da técnica”.

Leia Mais

16th
mar

imagem-curso-psicanaliseO título que escolhi para minha fala de hoje evoca, para mim, pelo menos dois pontos fundamentais que eu gostaria de refletir com vocês nesta manhã.

O primeiro e mais aparente é: o que é psicanálise e o que ela não é. Ora, se pensarmos que a prática da psicanálise se define pelo seu campo ético, o fazer-se psicanalista não pode vir desacoplado da práxis[1] de psicanalisar alguém. Dito isso, é fundamental que definamos em que consiste o método da psicanálise, diferenciando-o do de outras terapias. Para isso seguiremos o que nos diz Freud em seu sugestivo artigo intitulado “O método psicanalítico de Freud”, escrito em 1903, mas também o paralelo que ele estabelece em um artigo de 1904 entre as diferentes técnicas psicoterápicas.

Leia Mais

4th
mar

evento_1456950252

Nos dias 12 e 19 de março haverá um ciclo de palestras intitulado “O trabalho analítico na psicanálise contemporânea” organizado pelo Curso de Pós-Graduação em Psicoterapias de Abordagem Psicanalítica do Centro Universitário Barão de Mauá.

Os palestrantes

São profissionais com larga experiência clínica e acadêmica, mestres e doutores em Psicanálise bem como membros da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto. Além disso, todos eles integram o corpo docente do Curso de Pós-Graduação que está organizando o evento.

Leia Mais

18th
jan

download (8)Já estão abertas as inscrições para  Grupos de Estudo em psicanálise com início em 2016!

Por que estudar psicanálise em grupo?

O estudo da psicanálise é árduo e envolve muita dedicação individual. Leituras sistematizadas feitas individualmente são imprescindíveis para aqueles que querem conhecer o método de tratamento e o conjunto teórico criado por Sigmund Freud no final do século XIX. Além disso, é altamente desejável que o interessado tenha tido ou esteja tendo alguma experiência como analisando.

Leia Mais

6th
jan

imagem-curso-psicanalisePara os interessados em aprofundar seus conhecimentos na abordagem psicanalítica:

Estão abertas as inscrições para o curso de pós-graduação em Psicoterapias de Abordagem Psicanalítica do Centro Universitário Barão de Mauá, em Ribeirão Preto.

As aulas acontecem aos sábados, das 8:30 às 12:00 e das 13:00 às 16:00 horas e conta com docentes experientes e qualificados: mestres, doutores e membros da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto.

Leia Mais

5th
jan

downloadMeu objetivo neste texto é elaborar algumas reflexões a respeito do fator monetário na relação terapêutica. Falando mais claramente minha proposta é refletir sobre o modo como o terapeuta lida com o fato de receber dinheiro para cuidar de seus pacientes e de como paga, ou não, o preço pelo gozo que isso lhe traz.

Partirei para tanto de uma primeira imagem, provocadora: um analista se encontra com seu paciente algumas vezes por semana, que podem ser três ou quatro. O paciente se deita em um divã e o analista se coloca o mais confortavelmente possível atrás dele. Ambos estarão envolvidos durante os cinquenta minutos de encontro em uma tarefa altamente libidinal (leia-se prazerosa): associar livremente.

Leia Mais

30th
dez

download (9)Meu objetivo neste texto é problematizar uma concepção recorrente: a de que causas banais e atuais da vida quotidiana provocam o que em psicanálise chamamos de neuroses e outras desordens mentais.

Uma pessoa procura um analista e lhe diz na entrevista, quando indagada sobre o que ela pensa a respeito das motivações que a fizeram produzir determinados sintomas, que é por causa do estresse no trabalho ou por algum trauma vivido recentemente, ou ainda, por um dissabor no trabalho ou no casamento ou a perda de um ente querido.

O que o analista pensa disso?

Ele pensa que esta pessoa está somente parcialmente do lado da verdade. Vejamos o porquê.

Leia Mais

21st
dez

images (3)Para tecer minhas reflexões sobre este relevante tema parto de algumas observações colhidas ao longo dos meus anos de experiência como clínica e supervisora. Como supervisora, não é incomum perceber no terapeuta supervisionado a emergência de fortes sentimentos contratransferenciais com relação aos pais da criança atendida. O rol de sentimentos é variado, mas em seu espectro estão presentes ciúme, busca de pacto com um dos membros do casal e rivalidade com o outro, competição com relação à capacidade de cuidado parental (“eu sou melhor pai ou mãe que ele ou ela”), inveja e idealização. Como clínica no atendimento de crianças e pais observo o forte impacto que a transferência dos genitores, estabelecida muitas vezes já no primeiro contato telefônico, exerce sobre a mente do analista.

Leia Mais

14th
dez

dvd_8331Meu objetivo neste texto é demonstrar como a presença de neurose em cada um dos membros de um casal pode impactar negativamente a relação conjugal e, muitas vezes, inviabilizá-la. Para tanto utilizarei como estímulo para refletir sobre o tema o filme “A difícil arte de amar”, lançado em 1986 sob a direção do norte-americano Mike Nichols e estrelado por Meryl Streep e Jack Nicholson.

A história, aparentemente banal, começa com Rachel (Meryl Streep) flertando em um casamento com Mark (Jack Nicholson). Ela se apresenta como uma mulher independente, cabelos curtos, roupa elegante e sóbria. Trabalha como escritora de matérias culinárias na agitada cidade de Nova York. Durante a cerimônia, toma a dianteira no flerte, olha para ele, visivelmente mais velho que ela, pelo espelho da maquiagem. Ele, galante e com histórico de mulherengo (o solteiro mais famoso da cidade), devolve o olhar.

Leia Mais